Reciclagem do Subconciente

A tendência para guardar coisas é inata na criatura humana e geralmente quase coercitiva.

Pensando-se mais adiante, armazenam-se objetos, alguns inúteis; medicamentos, que ficam sem validade; roupas e calçados usados, para providências posteriores; papéis e recortes de jornais, de revistas, para serem lidos ou relidos um dia, que nunca chega; materiais e ferramentas que não são utilizados… Em determinada oportunidade, porém, com os móveis abarrotados, os espaços tomados e os guardados sob leves camadas de pó, chamam atenção, e a pessoa vê-se convidada a uma limpeza, uma nova arrumação, eliminando o que é inútil, distribuindoo que pode ser aproveitado e reservado apenas o que tem aplicação prática. Esse gesto representa uma forma de libertação, de desapego ao secundário, ao que acumulou desnecessariamente, ao sem valor.

É imperiosa, periodicamente, uma atitude enérgica, equivalente, em relação aos depósitos do subconsciente, em favor da auto-realização. Retirar o entulho psíquico torna-se fundamental para uma existência saudável.

Certamente, o passado influencia o presente, e quanto mais seja conscientizado e eliminado de forma coerente e lúcida, tanto melhor para a planificação do futuro.

Um discípulo que tivera a residência, com tudo quanto nela havia, destruída pelo fogo, queixou-se ao seu mestre da desgraça de que fora objeto.

O sábio, que era um admirável psicanalista nato, respondeu-lhe jovial, que agora lhe seria muito mais fácil encarar com naturalidade a morte, pelo imperativo severo do desapego.

Deixar que o fogo da lucidez destrua a residência das paixões onde cada um se esconde, o onde estão os condimentos neuróticos e as fixações tormentosas, faz-se imprescindível para encarar a existência sem disfarces, com os sentimentos abertos a outros valores, a novas conquistas.

Necessário, portanto, penetrar-se mentalmente, a fim de avaliar as impressões infantis arquivadas, as pessoas-modelos gravadas, os choques não absorvidos, os fantasmas criados pela imaginação e os medos cultivados pela fantasia lúdica, reavaliando-lhes os significados e selecionando-os, de modo a libertar-se de todos aqueles que são afligentes, e preservando as impressões enriquecedoras, aquelas que proporcionam bem-estar. Nessa tarefa cumpre que a ação se faça destituída de autocompaixão, de autocrítica, de autopunição, de autojustificação. Mediante a coragem de quem vislumbra e se dirige para uma meta de segurança, sem saudades do que passou, deve fazer a seleção do material e analisá-lo serenamente, a fim de renovar-se.

Liberando-se dos substratos anestesiantes e perturbadores, deve-se reciclar o subconsciente, preenchendo os espaços com novos elementos portadores de campos de irradiação equilibrada, estimuladora, para avançar na conquista do ser profundo, interior.

Quando o indivíduo quer, ele pode realizar, dependendo dos investimentos que aplica para consegui-lo. O empenho bem direcionado pelo pensamento objetivo, claro, sem conflito, logra criar futuros condicionamentos através das mensagens que arquiva, restabelecendo no subconsciente o banco de dados que responderá mais tarde com as informações corretas do que lhe seja solicitado.

Utilizando-se da auto-sugestão, dos recursos mnemônicos positivos, da visualização e da prece, reabastece-se de valores que, hoje arquivados, irão estimular os centros do desenvolvimento psíquico e moral, que ressumarão no futuro como sensações de paz,de claridade mental, de impulsos generosos, de atitudes equilibradas.

Potencial rico de valores, o ser humano é a imagem do seu Criador, por possuir a mesma essência imortal, consequentemente os preciosos dons e recursos que levam à perfeição, competindo-lhe unicamente desenvolvê-los e aprimorá-los. Na aparência, pode apresentar somente pálicos reflexos deles, no entanto, ao burilar-se, desvelar-se-lhe-ão os inquestionáveis tesouros.

Uma pessoa inexperiente identifica facilmente uma pedra que brilha no meio de outras. Entretanto, um especialista distingue-a e valoriza-a, por ser um diamante que espera apenas a lapidação.

A renovação psíquica e emocional deve ser uma atividade constante e natural, qual ocorre na área dos fenômenos e necessidades fisiológicas, como a alimentação, o repouso, a higiene, a reprodução, em que os automatismos subconscientes são acionados e atendidos. Da mesma forma, na área psicológica são necessários novos automatismos qua possam propelir o ser para os patamares mais elevados e plenificadores, que o estão aguardando.

Divaldo Pereira Franco pelo Espírito Joanna de Ângelis, Autodescobrimento – Uma Busca Interior – Editora LEAL

Esse post foi publicado em Reforma Íntima e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.